.

segunda-feira, 1 de abril de 2019

Ayrton Senna poderá ser incluído no Livro dos Heróis da Pátria



Para o relator do projeto, senador Zequinha Marinho, Ayrton Senna, assim como cidadãos comuns, enfrentou muitas adversidades e, com superação, teve uma carreira vitoriosa

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), em reunião na terça-feira (2), pode votar projeto que inscreve o nome do piloto de automobilismo Ayrton Senna da Silva (1960-1994) no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria (PLC 45/2018).

Ser incluído no livro é receber um reconhecimento formal do Estado brasileiro de grandes feitos para o país. O livro de aço com os nomes dos heróis e heroínas está guardado no Panteão da Pátria Tancredo Neves, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

A proposta do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), aprovada na Câmara dos Deputados, recebeu relatório favorável do senador Zequinha Marinho (PSC-PA) na CE. Em seu entendimento, a trajetória de Ayrton Senna é marcada pela excepcionalidade e pela busca da perfeição, fatores que o levaram a conquistar três vezes o campeonato mundial de Fórmula 1 (em 1988, 1990 e 1991) e o transformaram em um dos maiores ídolos nacionais.

“Senna constrói sua carreira na Fórmula 1 com vitórias admiráveis, mas também em luta com condições adversas dos carros que pilota, com problemas de contrato com as equipes e de rivalidade pessoal com alguns pilotos. O mago das pistas, que alcança uma simbiose quase inacreditável com a máquina, também tem problemas semelhantes aos que afligem as pessoas comuns e precisa superá-los para alcançar seus objetivos maiores”, define Zequinha em seu relatório.


Se aprovado pela CE, o texto segue para votação em Plenário.

O ex-senador Eduardo Amorim havia apresentado projeto com o mesmo objetivo (PLS 31/2016), que obteve o apoio do então relator na CE, senador Lasier Martins (PSD-RS). Porém, a proposta, que não chegou a ser votada pela comissão, foi arquivada ao fim da legislatura, em janeiro passado.

Feira de ciências

A comissão também votará o PLS 360/2017, que estabelece que a União terá a responsabilidade de promover feiras de ciência e tecnologia em escolas públicas de ensino médio, em parceria com os estados, o Distrito Federal e os municípios. A proposta é autoria da senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE).

O relator do projeto na CE, senador Alessandro Vieira (PPS-SE), é favorável. Ele chamou atenção para a importância das feiras de ciências e a conexão dessas iniciativas com as demandas educacionais e tecnológicas do país.

“É preciso dinamizar o ensino de ciências no Brasil e aproveitar os espaços didático-pedagógicos para desenvolver nos estudantes não somente o gosto pelo método científico, mas também competências fundamentais para o trabalho, ligadas à inovação e ao senso crítico”, sublinhou o senador.

A decisão da CE é terminativa: se aprovado na comissão e não houver recurso de Plenário, o texto segue para análise da Câmara dos Deputados.

Informações: Agência Senado

Nenhum comentário:

Postar um comentário