.

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Bruno Araújo é eleito presidente nacional do PSDB


Em convenção nacional em Brasília, o PSDB elegeu nesta 6ª feira (31.mai.2019) o ex- ministro e ex-deputado federal Bruno Araújo (PE), 47 anos, como o 12º presidente nacional do partido. O tucano sucede o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, para 1 mandato de 2 anos (2019-2021).

Bruno foi deputado estadual por 2 mandatos e deputado federal por 3 mandatos. Em maio de 2016, no governo do presidente Michel Temer, licenciou-se da Câmara e assumiu o Ministério das Cidades. Nas eleições de 2018, concorreu ao Senado por Pernambuco, mas ficou apenas com a 4ª posição diante das duas vagas em disputa.

A vitória de Araújo foi costurada por seu aliado mais poderoso, o governador de São Paulo João Doria, que tomou o lugar de Geraldo Alckmin na forte zona de influência paulista do partido.


Sob o mandato de Araújo, o partido deve viver a transição do antigo para o “novo PSDB” encampado por Doria, e tentará deixar para trás anos de instabilidade interna.

Em seu discurso, o novo presidente da sigla disse que o PSDB pagou “algum preço” por suas “hesitações” no passado. Segundo Araújo, o maior objetivo do partido agora será o de “assumir compromissos firmes”.

Segundo o tucano, o PSDB vai analisar se fechará questão pela reforma da Previdência, que tramita na Câmara dos Deputados.

“O PSDB vai, através da sua Executiva, não sinalizar o que pensa, não formalizar uma moção, mas vai decidir sobre o fechamento de questão pela reforma da Previdência”, afirmou. Ao fechar questão, 1 partido determina que todos os congressistas da sigla devem votar no mesmo sentido sobre a pauta.


ARTICULAÇÃO PELO ‘NOVO PSDB’

Governando o maior Estado do país, Doria se movimenta para se consolidar como o nome da sigla para a disputa do Planalto em 2022.


A luta pelo comando do PSDB está em forte ebulição desde 2017. O impeachment de Dilma Rousseff catapultou a influência do então senador Aécio Neves, que presidia o partido, mas o grupo do mineiro ruiu com a divulgação das gravações de suas conversas com o empresário Joesley Batista, da JBS.

Obrigado a se licenciar para cuidar de sua defesa, Aécio se viu alvo de fogo amigo de grupos tucanos que queriam que ele “submergisse”. A ala que cobrava uma autocrítica tucana teve suas intenções vocalizadas pelo senador Tasso Jereissati (CE), que assumiu a legenda e chegou a divulgar 1 vídeo em que dizia que “o PSDB errou”, entre outras coisas “ao ceder ao jogo da velha política”.

Aécio reagiu, destituiu Tasso e Geraldo Alckmin assumiu a sigla para ser 1 mediador. O sonho de calmaria teve 1 fim quando Alckmin não decolou na disputa pelo Palácio do Planalto em 2018 e amargou a 4ª posição na corrida, a pior da história do partido.


Com a ascensão de Doria, a linha de renovação deve se manter forte. Um novo Código de Ética foi aprovado e atende aos anseios do novo grupo por punições mais duras em relação a condenados filiados ao partido.

O novo Código prevê a expulsão de políticos condenados criminalmente ou que tenham cometido infidelidade partidária. Mas a máquina mineira já trabalha em prol de Aécio. A defesa do grupo é a de que os crimes pelos quais Aécio é acusado são anteriores ao Código de Ética e, portanto, não estariam sujeitos a sua régua.

O “fica ou expulsa” pode se tornar o novo ringue dos tucanos, que ainda decidem se mudarão de nome e se buscarão uma fusão com os “aliados históricos” – o principal deles o DEM– para retomarem o antigo poderio às vésperas das eleições municipais de 2020.


Informações: www.poder360.com.br
Fotos: Sérgio Lima: Poder360

Nenhum comentário:

Postar um comentário